Primeiras impressões na Europa - Voo para Genébra

postado em , por Michelly de Jesus Teixeira

Oi oi! 
Tô aqui toda animada pra contar como foram meus primeiros dias aqui em St Genis/Genebra. São muitas coisas novas! Vou começar contando como o voo pra cá.
Eu antes de ir pro aeroporto, dando tchau pro apê 204. 
Lá no aeroporto do Rio, fui acompanhada de pessoas muito queridas: 
No avião, os atendentes da Air France foram todos muito simpáticos, consegui me comunicar com eles em Francês sem problemas (mas me senti uma analfabeta em Francês). Eu escolhi sentar na janela, e era um Boeing 777, daquele grandão com 3 filas de assentos.

 Minha ideia de sentar na janela era poder observar bem as coisas lá fora, mas em alguns momentos isso foi desconfortável porque eu fiquei bem enjoada durante o voo e esse não era um local que desse pra sair com facilidade. Do meu lado vieram 2 franceses bem caladões. O primeiro voo até Paris foi de 10h e pouco, eu contei cada minuto da viagem, porque estava com um medão de passar mal no avião. Consegui dormir um pouco, e vi umas partes de uns filminhos conhecidos: Moana e Avatar, claro. Chorei vendo Moana? Claro.
A comida do avião era boa, parecia. Mas não consegui aproveitar quase nada do jantar, por causa do enjoo. Me lembrei da minha tia Beth que não podia sentir cheiros fortes na gravidez, deve ser a mesma sensação que tive no voo. Apesar disso, no café da manhã eu já estava mais fortinha e consegui aproveitar melhor. Comi a melancia mais docinha da vida, me deixou muito feliz. Também tinha um iogurte suíço, do jeitinho que a Gabi falou: sem doce nenhum. Joguei meu pacotinho de açúcar nele e problema resolvido. 
Amanhecendo na Europa, hm, chique. 
Chegando em Paris, eu tive as instruções de não parar pra olhar lojas e achar logo o meu terminal porque o aeroporto era muito grande e eu poderia me atrasar e perder o meu voo. Segui as instruções e logo achei o meu portão de embarque. O aeroporto é de fato, gigantão. Não perde pro Galeão que me fez andar 30 min pra chegar no portão de embarque lá no Brasil. Tive que passar pela segurança novamente (segurança mais reforçada que no Brasil sim, daquela que tem que tirar o sapato e cada anelzinho...) e pela checagem de passaporte, que foi super tranquila. Só conferiram o meu visto, carimbaram e ok, segui em frente. Achei meu portão de embarque e daí aconteceram 2 coisas simultâneas: calor demais e muito sono. Tirei os casacos que estava usando e fiquei aguardando o voo pra Genébra. Esse segundo voo foi legalzinho, porque não senti praticamente. Dormi o voo todo, só acordei na hora do lanchinho e conheci esse bolinho delicioso que chama Madeleine que já amo 💓
Madeleine, o docinho estufadinho que você respeita.
Cheguei na Suíça e fui seguindo as placas pra achar as esteiras de mala. Achei, aguardei, e peguei minhas malas. Pra pegar o carrinho, tem que colocar uma moedinha de 2chf, ou 2eu pra liberar o carrinho. O legal é que dá pra recuperar a moedinha quando devolve o carrinho :) Eu ainda não tinha moedas, então fui lá perguntar no Free Shop e o moço me falou que tinha uma máquina trocadora de dinheiro lá perto dos carrinhos, daí fui lá e consegui moedas. Peguei minhas malas, e foi bom ter colocado o plástico filme nelas (Fiz em casa mesmo, diy). Antes de sair do desembarque, também peguei meu ticket de vale transporte e fui encontrar as pessoas. 
Carol estava lá me esperando, e ela demorou a me reconhecer, hehe. Depois conheci o Bruno e o Leandro, que só conhecia por emails. Almoçamos no McDonalds do aeroporto mesmo e também já descobri outras coisas: 
- dá pra pagar com euros na Suíça, mas a conversão do valor não é nada vantajosa;
- o pedido no Mc lá era feito diretamente numas telas touch e a gente vai no balcão só pegar o pedido e pegar se for no dinheiro, ainda não vi isso no Brasil.
- Fanta tem gosto diferente, tem gosto de suco de laranja com gás (sabe um suco de laranja concentrado daqueles de caixa?), mas não o gosto de Fanta do Brasil. 
Outra coisa que observei na viagem: a Europa tem mais áreas verdes do que eu imaginava. 
Depois continuo contando como foi minha chegada no CERN. Beijos! 

A notícia mais legal: Michelly no intercâmbio sim!

postado em , por Michelly de Jesus Teixeira

Olá amigas e amigos,

essa é uma notícia que esperei um tempão pra poder falar aqui no blog e agora chegou a hora de contar!! (Na verdade comecei a escrever esse texto mês passado, mas não tive tempo de finalizar).

Dito isso, vamos aos detalhes da notícia propriamente: aquele sonho tão antigo do intercâmbio na minha vida está se concretizando mais uma vez - estou indo para a França/Suíça ficar um tempão! Essa foi uma conquista muito importante na minha vida até agora, e estou muito feliz e esperançosa pelas coisas que viverei. Na verdade, já estou muito feliz e grata pelo modo como tudo tem colaborado para que esse sonho se concretize. Eu sou muito abençoada :)

Esse não será meu primeiro intercâmbio: já tive a felicidade de passar 3 semanas nos Estados Unidos pelo programa Jovens Embaixadores,  uma experiência muito boa que deixou o gostinho de quero mais. Dessa vez terei mais tempo - a expectativa inicial é de que eu fique 1 ano no Centro Europeu de Pesquisa Nuclear, também conhecido como CERN, ou como o lugar onde surgiu a internet, ou como o lugar onde fica o maior acelerador de partículas do mundo, ou ainda como o lugar onde descobriram o Bóson de Higgs, entre tantos outros títulos nerds e legais. 
A agenda que minha mãe comprou pra incentivar meu sonho 😍
Houve um momento da vida em que eu dei risadas de angustia só de pensar que esse meu sonho do intercâmbio estava quase perdido. Quando vim para a UFRJ, eu tive que assinar um termo de desistência do programa Ciência sem Fronteiras - CsF pros amigos - no qual eu já havia sido aprovada e estava na fase de seleção da universidade. Assinei o termo tranquilamente, acreditando que poderia repetir o processo na UFRJ, que também participava do programa. A Dilma tinha prometido renovar o programa, então tudo ok, só que não. Não sabia que a UFRJ tinha suas próprias regras de seleção super rígidas que só permitiam alunos viajarem após o ciclo básico, isto é, aqueles 2 primeiros anos da faculdade de engenharia. Também não imaginava que o governo passaria por todas essas crises, Dilma seria tirada do poder e bye bye CsF. Porém, me sobrou a esperançazinha de que a UFRJ sempre teve programas de parceria com institutos da Europa. Num ato de fé comecei a estudar francês lá no curso da faculdade. Persisti no sonho e encontrei essa oportunidade maravilhosa da parceria do CERN com a UFRJ e agora estou aqui :)

A preparação para a viagem envolveu muita documentação; tive que tirar outro passaporte, vocês sabiam? o que anterior só valia 5 anos, agora vale 10. Dos documentos, igual aconteceu com o americano, não precisei pagar o visto também, porque o CERN tem um acordo que isenta a gente desse pagamento. Pedi o visto francês, porque pretendo morar na França. Quem vem pro CERN tem essa opção de escolher morar na Suíça ou na França, porque ele fica na fronteira entre os países. Também tive que selecionar bem as coisas para trazer, e comprar algumas coisas (malas de viagem, produtinhos pra cabelos cacheados made in Brasil, etc). Felizmente ganhei várias roupinhas legais das irmãs da igreja, e também tive a ajuda dos irmãos da igreja em várias outras áreas 💓. Antes de vir também fiz um check-up médico, fiz vários exames e consultas. Aproveitei e pedi várias receitas de medicamentos para trazer de reserva. Também tive que fazer minha mudança do apê no Rio, guardar tudo o que eu ia deixar e levar pra casa da minha tia / igreja, aproveitei para doar várias coisas também. 

Coisas que quero fazer

Ainda não listei os lugares que quero ir, mas com certeza espero viajar bastante :D 
Sei que quero me envolver com atividades locais também, pra conhecer a cultura e aprender o Francês. Me recomendem lugares pra ir, e sigam o meu instagram (@midejesus), porque vai rolar muitas fotos da viagem, sem dúvidas ;)

Em breve vou escrever outro post sobre as minhas primeira impressões aqui na França/Suíça. Bjs!

Blogs literários: parei de seguir

postado em , por Michelly de Jesus Teixeira

Houve um tempo que eu achava linda a ideia de viver pra ler livros. Seguia vários blogs literários. Sonhava receber vários livros das editoras tops. Foi naquela época de fã clube de Percy Jackson. Recebi todos os livros do Percy Jackson & Os Olimpianos, e mais alguns que a Intrínseca queria divulgar. Skoob, paginômetro, resenhas. Foi uma época bonita sim, saudades rs.

Tempo passou, faculdade chegou, e a minha meta de leitura anual despencou. Passei a ler pouco,
fiquei desapontada com meu desempenho nas leituras e passei a me incomodar com os blogs literários. Sabe aquelas fotos de instragram que te lembram tudo o que você não é e te deixam mal? Hehe, olha os blogs literários comigo. Milhões de livros interessantes que não tenho tempo pra ler. Mas daí vi que não precisava me aborrecer com uma coisa que já não faz mas sentido pra mim: fiz uma limpeza nas minhas inscrições de feeds de blogs e exclui um tantão de blogs literários.
Ainda gosto muito de ler, mas leio quando dá tempo, leio pra passar o tempo, pra me emocionar e aprender coisas novas, e não mais pra bater a minha meta de leituras e competir comigo mesma. Acho que percebi que não vai dar pra viver pra ler, e deixei a leitura no devido espaço que ela pode ocupar na minha vida. Sei que as recomendações não vão faltar: nos blogs diarinhos que sigo sempre tem uma recomendação ou outra e, como são de pessoas que acompanho e que acabo conhecendo o gosto, fica bem tranquilo confiar e seguir.

Abraços, e até a próxima.

Férias novamente

postado em , por Michelly de Jesus Teixeira

Períodos de férias são momentos muito propícios para colocar em ordem todas aquelas coisas que ficaram acumulando ao longo do período e que não consegui priorizar pela falta do tempo. Sendo assim, nada melhor do que usar esse tempo para dar uma atualizada no blog ☺

Estou de férias oficialmente desde o dia 06 de julho, quando acabaram meus compromissos da faculdade nesse período (2017.1), mas só cheguei aqui em Cuiabá dia 11. Nesses dias que fiquei lá no Rio, aproveitei pra passear com os amigos e pra assistir Orphan Black - #recomendo.

A série que me fez querer uma Sestra Helena. 💕
Ainda não contei aqui como foi o fim do período, mas em geral posso dizer que tudo correu bem :)
Foi um período em que me concentrei em fazer 'poucas' coisas, pra poder ter mais foco e qualidade. Deixei de lado algumas atividades, mas acho que valeu a pena.
Devo escrever um post de resuminho de junho e uma revisão do período em breve. Também tem uma notícias bem legais sobre coisas que acontecerão na minha vida em breve (se Deus permitir), mas essas só quero contar aqui no blog quando estiverem 100% certas.
Por enquanto, os dias em Cuiabá estão bons, tenho passeado com a família no tempo livre, e também trabalhado nos meus projetos. Quando cheguei aqui, senti um calorzinho e a secura do ar, mas hoje o tempo já mudou bastante e está bastante frio ⛄

Abraços, e até a próxima

Resuminho de Maio/Abril

postado em , por Michelly de Jesus Teixeira

Eu não escrevi o resuminho do mês de Abril porque simplesmente não tinha muito conteúdo relevante para compartilhar. As coisas em Maio não foram muito diferentes de Abril, nesses meses o que mais fiz de relevante foi estudar e fazer coisas da minha iniciação científica.
Já estamos chegando ao meio do ano e parece que o meu 2017 não começou direito. Parece que tudo que eu estou fazendo é um ensaio, uma preparação para o que pode ser 2017 a partir da resposta para um projeto pessoal que estou esperando desde o ano passado. Muitas coisas podem mudar nos próximos meses, mas só Deus sabe :)

Momentos 

  • Passeio com os tios no centro do Rio: No feriado de 1º de Maio, meus estavam passeando aqui pelo Rio e aproveitei para encontrá-los. Fizemos um passeio guiado com o pessoal do Rio Free Walking Tour. Foi bem legal.
  • Amigos de Cuiabá: Ray e Thalles vieram conhecer o Rio. Eu não pude acompanhá-los nos passeios, mas deu pra comer uma pizza com eles e saber das novidades. 
  • Niver da Clara: fomos à feira de São Cristóvão pra comemorar o niver da Clara ao som de Karaokê, foi legal, mas também foi o dia em que o Uber que pegamos quebrou na linha vermelha e ficamos muito preocupadas, mas no fim deu tudo certo. 

Leituras

Além dos livros da Faculdade, eu li esses:
  • Autoliderança -  Robson Santarém: é um livro sobre a jornada espiritual para se tornar plenamente humano. Esse livro falou muito comigo. Aprendi coisas muito importantes e talvez um dia eu escreva uma resenha detalhada. Foi o tipo de livro que li marcando várias páginas e frases marcantes. 
  • Enigma - Andrew Razeghi: esse foi um daqueles livros que comprei de super promoção na última bienal do Rio, e só estou terminando agora. É um livro muito bom também. Ele faz toda uma análise sobre os processos criativos e sobre o que pode realmente tornar ou não uma pessoa criativa. Acho um tópico muito relevante pra nossa sociedade que só pensa em inovação. 
  • Lord of Shadows - Cassandra Clare: Esse é o segundo livro a última trilogia dos Shadowhunters que eu amo. Eu gosto dessa série demais, gosto da autora, dos personagens, do enredo, etc. Mas esse livro foi um tantinho decepcionante de umas formas que não sei bem explicar. Acho que talvez não precisássemos mais desse livro na história. Foi longo, foi triste. Eu não sei se eu achei o livro ruim em algum aspecto ou se só estou chateada com a autora por ter matado uns personagens que eu gostei muito. 

Filmes e Séries 

A 13ª temporada de Grey's Anatomy acabou e eu fiquei bem triste com o fim. Nem morreram personagens importantes dessa vez, mas morreu meu casal favorito 💔.
Vi Sense8, e inclusive fiquei sem reação quando a Netflix anunciou o cancelamento - ainda não entendi a lógica e, se foi por falta de dinheiro, erraram feio no projeto porque não tinha necessidade de viajar pra uns 20 países pra fazer a série, né gente? Uma temporada com todo mundo dentro de uma casa, pra mim estaria melhor do que nenhuma outra temporada.
Vi os filmes: A Cabana, Guardiões da Galáxia 2, Mulher Maravilha no cinema e Donnie Darko e Ex Machina no Netflix mesmo.
A Cabana foi bonitinho e tal, mas não me emocionou nem a metade do que o livro fez - conforme li em algumas criticas, concordo que um dos problema é que não dá pra representar a grandeza de Deus em um filme. Ainda sobre esse filme, uma coisa que me incomodou muito foi a campanha de alguns grupos evangélicos contra esse filme - "Não assista A Cabana"; é claro que há muitos erros teológicos nesse filme, mas, desde quando a gente só pode assistir coisas que estão em perfeita harmonia com nossos fundamentos teológicos? E o discernimento, ninguém mais tem não? Achei que isso foi um negócio feio e sem sentido nas redes sociais.
Guardiões da Galáxia: engraçado e bonito.
👸 Mulher Maravilha: meu favorito do ano (depois de Moana) 💖, porque é sobre uma mulher que é forte, inteligente e simplesmente maravilhosa. O filme retratou várias situações em que ela foi literalmente posta de lado por ser mulher e teve que reafirmar seu valor várias vezes ao longo do filme - essa coisa do dia-a-dia de nossas vidas, não é mesmo?. Achei que foi uma representação ótima e realmente queria sair lutando maravilhosamente que nem ela. Vejam a crítica da Lully sobre esse filme.
Donnie Darko eu achei perturbador, Ex Machina também é, de certa forma, mas esse eu gostei de ficar pensando sobre.

Cursos, faculdade

No último post que escrevi, eu estava ainda só no começo do período, ainda tinha grandes sonhos e expectativas sobre as disciplinas, mas agora já fiz todas as P1 - primeiras provas, e já estou nas P2 e também terei P3 de algumas matérias. Todo o mês de Junho será um mês de provas.  Interessante ver como o meu sentimento em relação ao período pode mudar tanto do seu começo pro fim. Parece que no começo de cada período a gente reganha um pouquinho daquela inocência dos calouros e vai caindo na realidade com o passar do tempo, hehe.

O que mais teve

Teve muitas expectativas, decepções e vontade de sumir.  Mas também tiveram cultos maravilhosos lá na igreja que me renovaram e me ajudaram a continuar. Que bom, né?.
Abraços, e até a próxima 👸

Onde trabalha uma engenheira controleira?

postado em , por Michelly de Jesus Teixeira

Essa é uma das grandes questões ainda não respondidas da (minha) vida  -  uma dessas que eu fico refletindo sobre no trajeto do ônibus indo pra faculdade e voltando da faculdade - pensando onde é que eu vou trabalhar depois de tudo isso: todas as funções de transferências, sensores, e controladores da vida.

Onde?
Há por aí essa ideia de que um engenheiro de controle e automação pode trabalhar em inúmeras áreas: projetos, mecânica, eletrônica, elétrica, computação, robótica, automação de processos, plantas industriais e mais um monte de áreas. Mas acho isso uma meia verdade. Engenheiro de Controle é especialista em controle, não em elétrica e etc.

Eu já sei que gosto de controle, acho interessante sim, mas me preocupo com o mercado. Conversando com meus colegas veteranos, vejo que a maioria deles começa estagiando na área de desenvolvimento de software e provavelmente devem seguir nessa área em seus primeiros empregos.
Isso me faz pensar em três hipóteses:
  • o mercado não está interessados em engenheiros de controle e automação, ou 
  • não estão sendo formados os engenheiros de controle e automação que o mercado precisa, ou
  • engenheiros recém formados não estão sabendo encontrar as empresas. 
Esse negócio de emprego me preocupa muito desde cedo, o que é normal, por ser uma das grandes expectativas que recaem sobre todo mundo.
Eu sei imagino que eu deva passar a maior parte da minha vida trabalhando (olá reformas na previdência), então espero que eu possa fazer algo bem útil com a minha profissão, algo que eventualmente envolva umas contas complicadas e hardware, porque, se for pra trabalhar apenas com computação, então teria sido melhor ter estudado engenharia da computação, não é mesmo?

Muitos dos meus colegas de E.C.A. também sentem essa aflição e acho que deveríamos discutir mais esse assunto. Sempre que posso estou comentando isso com eles pra ver se eles têm alguma visão diferente, ou pra saber se algum deles já encontrou o caminho das pedras para trabalhar com controle na vida real.

Sei que pra quem se dedica e persevera sempre é possível achar um espacinho em alguma empresa distinta pra trabalhar de fato com sua área. Quem se dedica e faz um trajeto profissional saudável pode ter essa oportunidade, ou pode até mesmo criar a oportunidade.

Gosto de observar engenheiros que encontraram o seu caminho quando ele não estava muito claro no mercado. Gosto de observar a história dos meus professores e suas pesquisas. Servem de inspiração. Eu gostaria também de poder observar mais mulheres fazendo seus caminhos nessa minha área - meu maior exemplo até o momento é a Nagin Cox, engenheira industrial que trabalha lá na NASA, mandando robôs pra marte - maravilhosa 😁

Tirei uma foto com ela após a palestra que ela deu lá na COPPE. 26 de Semtembro de 2014. 
Comentários são bem vindos! Se souberem aí de algum lugar onde eu possa trabalhar, já estou aceitando sugestões, obrigada. rs

Se formar deve ser muito legal

postado em , por Michelly de Jesus Teixeira

Hello pessoas queridas que por algum caminho chegaram ao blog :)

Hoje eu vim falar um pouquinho sobre esse drama da minha vida, que é eu me sentir atrasada em relação ao mundo. Tenho consciência de que preciso eliminar esse pensamento na minha mente, porque ele sempre traz uns sentimentos depressivos que não colaboram em nada no que eu tenho que fazer de fato, que é seguir em frente e estudar, não é mesmo??? Mas é tão difícil. 😟

Fiz ensino médio integrado, o que significa que fiz um ano a mais no ensino médio. 4 anos!!! (com a mesma turma do início ao fim, e que foi muito bom). Além disso, fiz um ano em uma faculdade e resolvi mudar de faculdade e 'perdi' esse ano aí. Agora - estou aqui na UFRJ, no 7º período do curso, mas o Siga bem me diz que eu estou na verdade, no 5º. E onde é que foi parar esse ano? Eu não sei, eu me pergunto o tempo todo... Mentira, eu sei sim, ele foi pras reprovações que eu tive na vida, pros projetos, pra Fluxo, pra IC.

A timeline  terrível da comparação -  devo lembrar que não sou 'as pessoas'

Tá aí também um grande causador de sentimento de atraso na vida: reprovações. O ensino médio não te prepara para esse sentimento, que faz você se sentir o fracasso em pessoa, indigno. Não estou querendo justificar reprovações, mas se você, por acaso, é alun@ de engenharia, então sabe da situação (...ou não, você pode ser um daqueles gênios que existem na faculdade e não se abalam por nada :D ).

Sei que a fonte dessas comparações na maioria das vezes sou eu mesma, que fico pensando que devo seguir o padrão, que não estou seguindo a norma de ser uma jovem estudiosa de sucesso que se forma em tempo recorde e vai ganhar o mercado de trabalho e o mundo. Só que às vezes vocês também não colaboram... rs. Quando o apontamento de que que estou 'atrasada' ou fora do padrão vem de outra pessoa, aí é bem ruim, então não façam, por favor :)
Minhas habilidades de desenho são ótimas :D 

Vamos lembrar antes que a trajetória de cada pessoa é tão única 💗 - por que o padrão?? Nem sempre precisamos deles. Há várias formas de ser feliz, e uma delas é estar bem consigo mesmo e com suas escolhas. Essa pressão pra seguir o padrão às vezes tira o brilho das coisas: sei que desde que cheguei aqui fiz coisas muito interessantes, gerenciei e colaborei em projetos, aprendi muito, e não posso me arrepender delas, pois valeram a pena e, no final das contas, o importante é que a sua e a minha história aqui na terra valham a pena.

Fica aí essa reflexão e um convite pra que sejamos todos mais apoiadores uns dos outros, sem julgamentos e tal.
Abraços!