Escolhendo a Engenharia como Graduação

postado em , por Michelly de Jesus Teixeira, 2 comentários

Estamos em época de SISU e me parece um bom momento para comentar melhor sobre a minha escolha para a graduação e, quem sabe, inspirar alguém ou espantá-lo de vez da área 😆, rs. Para quem não sabe, sou estudante de Engenharia de Controle e automação, atualmente na Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, mas antes disso já estudei 2 períodos desse mesmo curso no Instituto Federal de Mato Grosso.

Minha motivação para a área de exatas, na verdade posso dizer que minha motivação diretamente para a engenharia, já veio bem forte do ensino médio, no qual cursei em paralelo o técnico em eletrônica, pelo IFMT. Lá tive a oportunidade de conviver com vários professores engenheiros e essa inspiração não veio de considerá-los as pessoas mais legais do mundo ( na verdade, era mais o oposto: alguns professores tinham sérios problemas em lidar com pessoas), mas porque achei muito interessante ver as várias áreas em que eles poderiam atuar e entender melhor a influência da engenharia no nosso cotidiano.
De verdade, reflita um pouquinho: o que seria de nossa sociedade sem as engenheiras e engenheiros??? É claro que você pode parafrasear essa pergunta com professores, médicos e outras tantas profissões, mas eu consigo ver o peso da resposta para o caso da engenharia, e isso muito me agrada, porque significa que posso causar um impacto interessante na sociedade através da minha profissão.

Um curso desafiador

Sempre ouvi dizerem que engenharia é um curso bem difícil: tanto para conseguir uma vaga na faculdade quanto para concluir o curso. Hoje, com meus 3 anos de curso, posso afirmar que isso é verdade sim. Tem que gostar de matemática? Sim, isso ajuda muito, mas talvez nem precise gostar tanto, desde que você não tenha medo dela. As principais ferramentas de trabalho dos engenheiros envolvem algum nível de análise matemática, cálculos,e modelagem que não necessariamente  utilizam todas as integrais que aprendemos ao longo das várias disciplinas de cálculos, mas alguns dos conceitos com certeza estarão presentes.
Outro ponto importante de se comentar é sobre esse peso dos cálculos e físicas no currículo das engenharias no Brasil. No nosso sistema, normalmente estudamos 4 cálculos e 4 físicas no que chamamos de ciclo básico aqui na UFRJ. É uma abordagem bastante teórica, foca em muitos detalhes e é maçante para a maioria dos alunos - reprovações são bastante comuns nessas disciplinas, principalmente no início do curso, quando os alunos ainda estão se adaptando ao ritmo da faculdade.
Engenharia é um curso que vai te desafiar tanto no desempenho acadêmico quanto no emocional: é importante que você saiba lidar com os desapontamentos ao longo do caminho. De certa forma, faz todo o sentido: a(o) engenheira(o) é aquela(e) que está disposta(o) a resolver desafios e encontrar novas soluções e o estágio já começa bem cedo.

Por que a UFRJ?

No primeiro SISU, eu escolhi o IFMT como faculdade e era a minha única opção de fato na época.
Mas voltando à questão do ritmo da faculdade, bem, isso já é um bom argumento para justificar minha escolha. A Escola Politécnica da UFRJ é uma faculdade que exige muito de seus alunos e também oferece bastante oportunidades de atividades extracurriculares e de pesquisa. Nesse sentido, é natural que seus alunos saiam bem preparados e sejam bem aceitos no mercado de trabalho. Além disso, a história da Escola de Engenharia da UFRJ tem seu início no período em que o Brasil ainda era colônia de Portugal, ou seja, é uma faculdade de tradição. A UFRJ é a melhor faculdade de engenharia? Não, não é isso que estou tentando dizer, e na verdade eu poderia fazer várias críticas a seu sistema (o que é tema para outra hora). O que estou tentando dizer é que aqui sei que vou me formar me sentindo preparada para exercer a profissão, o que é algo que eu não poderia afirmar na outra faculdade, devido a várias questões estruturais do curso.

Por que Controle e Automação?

Isso veio do curso de eletrônica. Com o curso vi várias aplicações e gostei muito da parte de microcontroladores, automação residencial, e robôs de competição. Vi que a eletrônica sozinha não era o meu forte, mas essas aplicações me interessavam, e o curso de Controle e Automação é o que mais se aproxima dessas aplicações, dá uma olhada nesse diagrama da Wikipédia:
Concordo que é bem complicado escolher a sua especialização assim de início, porque é muito provável que você ainda não tenha a mínima ideia de que vai gostar do curso. Na UFRJ existe uma opção de entrar na Engenharia Ciclo Básico, de modo que você escolhe sua especialização depois de 2 anos de curso, mas isso nem sempre ajuda. Aqui temos 14 opções de curso da Poli, além dos cursos da Escola de Química.
Em alguns momentos eu já pensei bastante em mudar pra outros cursos: Engenharia Mecânica, que é super interessante!!! e Engenharia da Computação e Informação, que também é uma área que eu tenho bastante interesse e que parece mais confortável que Controle, mas acho que vou ficar no meu curso mesmo, porque também gosto bastante dele e dá pra ver um pouquinho da mecânica e computação em algumas disciplinas.

Como é a minha vida de universitária? 

Para estar perto da faculdade, eu moro em república, e morar assim é uma oportunidade legal pra aprender a fazer várias coisas sozinha, além aprender a conviver com outras pessoas e fazer amizades também. 
A maior parte do meu tempo durante a semana eu passo na faculdade mesmo, as aulas tem horários misturados entre os períodos da manhã e da tarde e, nos horários vagos sempre tem alguma atividade extra: já participei da Empresa Júnior de Engenharia - Fluxo Consultoria, que foi muito legal, também já fiz curso de inglês e de francês, e atualmente participo de projeto de pesquisa. 
Normalmente à noite a gente ainda tem que estudar mais um pouco e fazer os trabalhos. 
Finais de semana é uma coisa que você tem que administrar: dá pra passear, dormir, trabalhar, etc (desde que não seja em véspera de semana de provas, senão você só vai estudar mesmo). 

É isso que eu tinha pra dizer, e se alguém tiver alguma dúvida, pode deixar nos comentários ;) 

Abraços, e boa sorte com o SISU!

2 comentários:

  1. Compartilhar uma experiência é deixar a humanidade um passo a frente em direção ao futuro. Parabéns Michelly.

    ResponderExcluir